quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

"MÚSICA DO MUNDO" COMEÇA NESTA SEGUNDA


       As flautas de Fernando Farias e do português Rão Kyao, e o violão de Marcel Powell abrem nesta segunda-feira (26), a partir das 18h, no Busto de Tamandaré, na praia de Tambaú, o Festival “Música do Mundo”. O evento, que integra o projeto Circuito do Sol, é promovido pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Fundação Cultural (Funjope), em parceria com o Governo do Estado. Os shows de música instrumental serão realizados diariamente até o dia 30.
       O músico paraibano Fernando Farias vai abrir o Festival levando ritmos variados, como ciranda, coco, frevo e maracatu, ao palco do “Música do Mundo”. No repertório da apresentação estão canções de Antônio Carlos Nóbrega, Alice Lumi, Paulo Ró, Pedro Osmar, Everaldo da Flauta (Campina Grande), João Biano e Chico César.
      Marcel Powell – Outra grande atração da noite será o violonista Marcel Powell, que apresentará um repertório variado, fazendo um passeio pelo melhor da MPB, com muito samba, choro, frevo e clássicos do jazz, entre eles "Último Desejo”, de Noel Rosa, "Desenho de Giz”, de João Bosco e Abel Silva, "Essa Maré”, de Ivan Lins e Ronaldo M. Souza e "Round'bout midnight” do pianista Thelonious Monk, e "Choro para Metrônomo”, de Baden Powell, entre outras músicas.
      O músico iniciou carreira aos nove anos, acompanhando o pai, Baden Powell, nos palcos do mundo e não parou mais. Apesar de jovem, 24 anos, toca com maturidade, personalidade e segurança de veterano.Com um estilo de escalas e ataques de notas rápidas com sotaque que soa flamenco e uma capacidade de acrescentar silêncios nos remetendo a outros mestres como Al Di Meola e John MacClaughlin, a escola de Marcel é brasileiríssima e isso fica evidente no CD e principalmente no show, onde ele reprocessa com inteligência e sensibilidade a tradição violonística iniciada por mestres como Dilermano Reis, Garoto, João Pernambuco e universalizada por Baden Powell.
     Rão Kyao – O lisboeta Rão Kyao será a última atração da noite de estréia do Festival Música do Mundo. O flautista sobe ao palco, no Busto de Tamandaré, acompanhado de três outros músicos. A formação de base do quarteto é composta por flautas (Rão Kyao), acordeão/piano/teclados (Renato Júnior), guitarras (Tony Pinto) e percussão (Ruca Rebordão).
        O repertório do show será uma viagem por vários discos, mais concretamente no álbum "Porto Alto", aclamado pela crítica européia e gravado pelos músicos que participam da apresentação. No show também serão lembrados os trabalhos "Estrada da Luz" (platina em Portugal), "Oásis", "Danças de Rua", "Viagens na Minha Terra" e "Encantado", este último o mais recente álbum de Rão Kyao e disco de ouro em Portugal.
Com mais de 20 anos de carreira, Rão Kyao tem-se distinguido pela persistente vontade em redescobrir o Oriente. Fazendo uso da flauta de bambu e do saxofone, ele foi encontrando inspiração na música indiana, árabe, africana e chinesa, restabelecendo assim o elo perdido entre a tradição musical portuguesa e a Oriente. (Release)

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

SARAU POÉTICO NA ESTAÇÃO

O cantor Adeildo Vieira é a atração do Sarau Poético da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes desta quarta-feira (21), a partir das 18h00, no Salão Panorâmico da Torre Mirante. O evento é aberto ao público e consiste em declamações de poesias livre ou de algum poeta e cantador. No local será montado um púlpito com microfone aberto para as declamações.Adeildo também vai cantar e declamar seus poemas musicados e produzidos ao longo de sua carreira.(Release)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

"TEATRÁLIA" NA ESTAÇÃO CABO BRANCO

          O grupo Teatrália volta a apresentar o espetáculo “Ensaios Fotográficos” nesta quinta-feira (15), a partir das 19h, no auditório da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A produção é uma poesia encenada e tem como inspiração a obra do poeta Manoel de Barros, que também dá nome ao espetáculo. O evento é aberto ao público e tem entrada franca.
          O espetáculo propõe o desligamento de todo aparato tecnológico que permeia o mundo de hoje e sugere uma leitura do que é essencial para o ser. A intenção do espetáculo não é dar uma forma definida à poesia de Manoel de Barros, mas instalar em cada espectador o enigma e beleza simples sentidos em sua obra. A produção dá relevância ao texto literário e busca encantar leitores em potencial, com ênfase no texto poético daquele considerado um dos principais e mais importantes autores vivos da poesia brasileira.
           “Ensaios Fotográficos” marca a volta do Grupo de Encenações Poéticas Teatrália ao cenário cultural de João Pessoa. Fundado pela escritora Dôra Limeira, em 1999, o grupo tem em seu elenco os poetas, intérpretes, atores e músicos: Ivo Limeira, Elba Góes, Nara Limeira, Matteo Ciacchi e Pedro Xavier sob a direção de Ana Valentina e Gustavo Limeira. O espetáculo debruça-se sobre a poesia de Manoel de Barros, poeta mato-grossense, nascido em Cuibá, em 1916. Publicou seu primeiro livro em 1937, intitulado “Poemas Concebidos Sem Pecado”, e até hoje são quase 30 livros de poesia e muitos prêmios e homenagens. Sua obra trata do homem integrado à natureza, sem esquecer as relações sociais e suas angustias frente à questões como fome, pobreza e exclusão.(Release)


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

A MULHER DO MEU AMIGO



"A Mulher do meu amigo” é o nome do filme que será exibido neste final de semana, sábado (10) e domingo (11), a partir das 18 horas  na sala de audiovisual na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Arte. A exibição é gratuita e a censura é de 14 anos.

Dirigido por Cláudio Torres, o filme conta a história de Thales, um bem sucedido homem de negócios que está em crise com sua profissão. Casado com a rica e mimada Renata, ele trabalha com seu sogro, o poderoso e amoral empresário Augusto. Um dia, durante suas férias na casa dos amigos Rui e Pamela, Thales decide que vai parar de trabalhar. Esta inusitada decisão afeta a vida de todos à sua volta. No elenco, Mariana Ximenes, Antônio Fagundes (Augusto) Marcos Palmeira, Otávio Müller e Maria Luísa Mendonça.

O projeto é uma parceria da Estação Cabo Branco com a locadora de filmes Ribalta e alguns que compõem o acervo de filmes da casa que foram doadas pela Ancine. O projeto consiste na exibição de filmes com abordagens temáticas educativas e culturais, com destaque para produção nacional. Próximo final de semana sábado (17) e domingo (18) será exibido o filme "Assalto ao Banco Central”, encerrando as atividades do projeto no ano de 2011.(Release)

TRIO "MADEIRA BRASIL" NO SABADINHO BOM


O trio carioca “Madeira Brasil” é a atração do projeto “Sabadinho Bom” deste sábado (11), a partir do meio dia, na Praça Rio Branco, centro da capital. O trio foi indicado para o Prêmio Sharp deste ano nas categorias ”Melhor Disco” e “Melhor Grupo”.

O trio “Madeira Brasil” tem uma proposta ousada e representa de forma atrativa e bem acabada o que há de melhor na cultura brasileira. No repertório do trio estão músicas de compositores como Jacob do Bandolim ("Santa Morena”), Ernesto Nazareth ("Guerreio”, "Labirinto” e "Celestial”), o espanhol Manuel de Falla ("Danza de La Vida Breve”) e Egberto Gismonti ("Loro”). Há ainda releituras para instrumentos de cordas de autores da MPB, como Edu Lobo ("Corrupião”) e Chico Buarque ("As Vitrines”).

Ao longo da carreira, o grupo participou de várias turnês nacionais e internacionais. Se apresentou em países como França, Itália, Áustria, Bélgica, Suíça, Chile, Colômbia, Alemanha, Rússia e Portugal. Também participou de importantes festivais como o Vignola Jazz, Festival Rio-Loco, Visions du Réel, Festival de Guitarra de Santo Tirso, Rock in Rio-Lisboa e Berlin Jazz-Fest.

O trio conta músicos de destaque no cenário brasileiro como Ronaldo do Bandolim, um dos maiores bandolinistas do País, Zé Paulo Becker e Marcello Gonçalves. Sabadinho bom é uma realização da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

domingo, 4 de dezembro de 2011

FESTA DA MÚSICA PARAIBANA



Paulo Ró: Cantus Popularis

 

Em “Cantus Popularis”, Paulo Ró expressa uma profunda pesquisa nas raízes populares da cultura nordestina, trazendo cocos de roda, cirandas, a mazurca, os congos e lapinhas. A partir de um olhar próprio, Paulo recria o vasto universo da cultura popular, modificando, reelaborando, fragmentando, adicionando, misturando e distorcendo suas mais fortes referências, como as Cambindas Brilhantes de Lucena, entre outros grupos e mestres populares. A pesquisa-vivência de Paulo Ró lhe confere certa intimidade com o universo popular, dando-lhe tanto abertura para recriar e registrar suas impressões, quanto a responsabilidade de fortalecer e difundir as autênticas raízes da cultura musical brasileira.
O trabalho mostra de forma contemporânea e original a nobre e singela poesia, o colorido descritivo e cativante da música que o povo simples brinca, demonstrando o prazer, a versatilidade e a riqueza composicional, revitalizando a música tradicional em todas as suas instâncias, trazendo para o convívio do público de hoje a música que é passada de pai para filho, num processo histórico de resistência cultural.


http://www.youtube.com/watch?v=T_6MN9LUq64





Naldinho Braga: Todos do Mesmo Lado

Depois de doze anos na formação da Banda Tocaia da Paraíba, grupo que ajudou a fundar, Naldinho Braga ressurge com um novo trabalho. Com a banda CARRO DE LATA, cuja formação conta com ele próprio no contra baixo, Regina Limeira no vocal, Rudá Barreto na guitarra, Hugo Limeira no violão, Fabiano Lira na bateria e Izza Ribeiro no back vocals, o compositor cajazeirense apresenta o show Todos do mesmo lado! Um trabalho, arrancado do infinito e lapidado num mergulho sobre as raízes da música nordestina. Um inteiro e suas partes - todas no devido lugar. Aqui se concentra, ainda, o resultado de uma memória própria da existência. Tudo numa imensa convulsão de ritmos musicais e poéticos. Podemos conceituar este trabalho numa palavra: cumplicidade. Das experimentações que passeiam do blues à ciranda, resulta um encantamento de artistas amigos que cantam orientados pela ebulição do espírito criador de Naldinho. Ele traz à luz dos tempos uma produção maiúscula. Coisa de artista antenado com seu tempo e com sua circunstância. 
Um trabalho que reúne distâncias enormes num único espaço. Um deleite de cheiros da melhor raiz cultural do Nordeste. Uma obra que aguça os maracás da alma de quem sente. Nesse trabalho, cada canção tem sua própria e intransferível verdade, resultado de uma longa e delicada colheita. Sobretudo, produto de uma extenuante e prazerosa busca. Mas, acima de tudo, como diz o poeta Lau Siqueira, podemos dizer que o trabalho de Naldinho é um excelente livro. Afinal, é música para infinitas leituras. 

http://www.youtube.com/watch?v=5KS1_BCTT38

TREM DAS ONZE

O grupo é fruto dos encontros festivos de Chico Limeira, Regina Limeira, Paulinho Tazz, Tibério Limeira e Kayo Oliveira, e nasceu no intuito de oferecer aos dispostos ouvidos da capital pessoense o samba em seu estado de conservação, lembrando os bambas de outrora e levando ao público novos sambas, conseqüência da paixão dos novos.
Noel, Cartola, Chico Buarque e Geraldo Pereira sobem ao palco junto com o grupo como divinos reverenciados e transformam as belas canções de outras décadas em referência para as novas canções do Trem das Onze. O grupo está em processo de produção do primeiro registro, que deve ser lançado ainda esse ano.


http://www.youtube.com/watch?v=rRbGGYeZlT8 (Chico Limeira)

ORQUESTRA DE TAMBORES DE ALAGOAS


A Orquestra de Tambores de Alagoas é uma sintonia de ritmos, cores, timbres e sentimentos. Através de uma intensa pesquisa das raízes rítmicas afro-brasileiras e das manifestações folclóricas, o grupo apresenta um verdadeiro resgate de valores da cultura do nordeste do Brasil, integrado a fragmentos da música contemporânea e efeitos sonoros eletrônicos e experimentais. Desde 1989, o músico, artesão e coordenador da orquestra, Wilson Santos, vem pesquisando os ritmos afro-brasileiros. Porém, nos últimos sete anos, passou a direcionar suas pesquisas para a influência destes ritmos nas manifestações folclóricas nordestinas. Dentro desse contexto surgiu a Orquestra de Tambores de Alagoas, em novembro de 2004, a partir da união de percussionistas experientes e alunos das oficinas de percussão e confecção de instrumentos ministradas por Wilson Santos. Os instrumentos utilizados nas apresentações são confeccionados artesanalmente pelos próprios integrantes do grupo. Além do resgate cultural, da pesquisa rítmica e da musicalidade, o grupo tem formado multiplicadores do processo de ensino das técnicas percussivas e da confecção de instrumentos artesanais em Alagoas o que por sua vez vem possibilitando a criação de novos grupos de percussão baseados nos ritmos brasileiros. Em 2010 foi contemplada com o Selo Cultura Viva pelo Ministério da Cultura, desenvolve atividades em parceria com a Secretaria de Cultura do Estado de Alagoas e atualmente, e já foi selecionada duas vezes no Programa BNB de Cultura.(Releases)

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

"SABADINHO BOM" APRESENTA JPSAX

A atração do projeto "Sabadinho Bom" deste sábado (3), ao meio dia, na Praça Rio Branco, Centro da Capital, é o 'JPSax'. No repertório, clássicos do choro basileiro. O projeto é promovido pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP),através da Fundação Cultural (Funjope). "Sabadinho Bom" tem se destacado por realizar semanalmente shows que tem por base o chorinho, sempre com apresentações aos sábados a tarde. 


O grupo JPSAX foi criado em 1994 e está ligado ao Departamento de Música da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Orquestra Sinfônica da Paraíba. Formado pelos músicos João Leite Ferreira (sax soprano), José de Arimatéia - Teinha (sax alto), Rivaldo Dias (sax tenor), Heleno Feitosa Costa - Costinha (sax barítono), Xisto Medeiros (contrabaixo), Giovanni Medeiros (teclados) e Gledson Meira (bateria), o JPSax já participou de importantes festivais de música nacionais e internacionais, gravou três CDs, o ultimo com outros compositores.(release).

EXPOSIÇÃO "TALHADO NA MEMÓRIA"



A exposição fotográfica ‘Talhado na Memória’ do paraibano Gustavo Moura pode ser visitada até dia 20 no Ateliê Multicultural Elioenai Gomes, Ladeira da Borborema, Centro histórico da Capital. A exposição é parte das comemorações do mês da Consciência Negra. Com visitas gratuitas, a exposição pode ser vista todos os dias das 11 às 16 horas.

São 20 fotografias em preto e branco, tamanhos variados, com imagens clicadas há duas décadas na Serra do Talhado, município de Santa Luzia, sertão paraibano, no ano 1984, durante as locações do filme Aruanda, de Linduarte Noronha. O fotógrafo voltou à região em 1986 e 1988, para registrar percepções e a realidade dos moradores do local. Além dos rostos, horizontes, lugares e gestos desta população estão presentes nas fotografias.

A exposição também reúne imagens da comunidade quilombola existente na região de Serra do Talhado. Desde sua formação, na segunda metade do século XIX, o lugarejo ainda preserva características de um quilombo, evidenciadas na resistência dos seus habitantes e na relação com a terra. Dela sai o sustento: seja pela agricultura ou na forma de peças de barro, uma tradição local preservada até hoje. (Release).

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Beleza e originalidade no "Auto dos Orixás"


                                                                                      (Fotos:Célia Leal)
A ancestralidade africana, beleza e força dos orixás e suas influências na cultura popular foram celebrados no espetáculo ‘Auto dos Orixás’ – todas as vidas são originalmente uma só vida, realizado na Praça do Ponto de Cem Réis, em João Pessoa, na noite do último domingo(20), dia da Consciência Negra. O evento foi realizado pelo Ateliê Multicultural Elioenai Gomes e Grupo Raízes, em sua programação do Mês da Consciência Negra.

                        A apresentação teve inicio às 20 horas, sem palco, artistas e público no mesmo plano, demarcado por quatro Ibás Guardiões (altares sagrados) com os quatro elementos da natureza (terra, fogo, água e ar) pontuando a saída dos bailarinos, cada orixá em seu elemento. O Raízes, grupo de percussão e dança afro indígena, concebido como produto cultural do Ateliê e laboratório de humanização conduziu todo o espetáculo ao som de cantos, atabaques e agogôs.
Com direção do artista visual paraibano Elioenai Gomes, o roteiro teve como foco o processo de humanização em contraponto à todos os tipos de intolerância e preconceito impregnados na memória povo brasileiro. Por outro lado, propôs a integração dos grupos de cultura popular de matriz africana e indígena como caminho de fortalecimento e resistência.
A dança dos Orixás, coreografada pela bailarina Dadá Santana, foi apresentada em torno da sabedoria ancestral, representada por uma contadora de estórias(educadora), que conduziu crianças à uma outra leitura sobre a África e suas influências na cultura  popular brasileira.


 O figurino foi concebido coletivamente pelo Grupo Raízes com base nas cores, símbolos e elementos de cada divindade e norteado pelo Projeto Reciclos, do Ateliê Multicultural, que propõe uma melhor qualidade de vida, através da redução do consumo, reutilização e reciclagem.  


O Auto dos Orixás contou com a presença de mais cem artistas da cultura popular paraibana, entre grupos, bailarinos e interpretes. Participaram o Coral Voz Ativa, Grupo Baticumlata, Tribo indígena Pele Vermelha, Tambores do Forte, Urso Amigo Batucada, Clube do Samba de Mesa, Circulo dos Tambores, Evelyne Vilhete, Tutu Carvalho, Gel Carvalho, Débora Vieira, Andila Nahusi, Danylo Aguiar, Laíla Alana, Severino Ramos e os grupos de capoeira Orum Aiyê, Escola Mukambu e Capoeira Angola Palmares entre outros.
 As comemorações do Mês da Consciência Negra continuam do Ateliê Multicultural no próximo dia 26, com o Projeto Casa de Bamba -  celebrando o Afro samba. Encerrando no dia 30 a abertura da Exposição ‘Talhado na Memória’, do fotógrafo paraibano Gustavo Moura, que há vinte e cinco anos registrou o Quilombo da Serra do Talhado, no município de Santa Luzia, no interior da Paraíba.


O Ateliê Multicultural fica na Ladeira da Borborema no Bairro do Varadouro, Centro Histórico da capital paraibana. O registro fotográfico do Auto dos Orixás e outras informações podem ser obtidas através do site www.ateliemulticultural.com.br ou pelo telefone 87309629.(Por Antonia Souza)

domingo, 20 de novembro de 2011

“Auto dos Orixás” no Ponto de Cem Réis

        
              “Auto dos Orixás’- Todas as vidas, originalmente, são uma só vida” é o espetáculo montado para exaltar o Dia da Consciência Negra celebrado em todo o país. Em João Pessoa, o show é apresentado na noite deste domingo,20, no Ponto de Cem Reis a partir das 19 horas. O artista plástico Elionai Gomes, idealizador do evento, disse que o “Auto..” objetiva celebrar a consciência negra, dando mais visibilidade e estimulando o fortalecimento de uma rede de grupos/entidades e artistas da cultura popular paraibana.
Participam do Auto dos Orixás... vários grupos musicais, de percussão, canto coral, capoeira, contadora de histórias, etc. Entre os convidados estão o  ‘Raízes’, grupo de dança e percussão afro-brasileira e indígena, que realiza um trabalho de fortalecimento da cultura popular paraibana; o Grupo Voz Ativa, cujo repertório enfatiza a música paraibana em todas as suas nuances; Grupo Capoeira Angola Palmares, Tutu Carvalho, Baticumlata,  Capoeira Angola Orun Aiyê, Débora Vieira, Urso Batucada, Danylo Aguiar, Tambores do Forte, Evelyne Vilhete, Indios Pele Vermelha,  Grupo Dinâmico Cultural, Gel Carvalho, Andila Nahusi, Laíla Alana, Escola Mukambu de Capoeira Angola, Severino Ramos, Clube do Samba de Mesa, Circulo de Tambores, entre outros.
          Ateliê Multicultural Elioenai Gomes- Fundado em 2004, atualmente referência de multiculturalismo na capital paraibana, o Ateliê integra as mais diversas formas de expressões artísticas - música, artes visuais, artes cênicas, literatura, entre outras -, com o objetivo de promover a diversidade cultural, garantindo a originalidade das expressões culturais locais e seu potencial de crescimento.
Durante todo mês de novembro haverá eventos para comemorar o Dia da Consciência Negra com a realização do 10º Baile Afro – Tributo a Clara Nunes, no dia 26. No dia 30 será a abertura da Exposição Fotográfica- Talhado na Memória, do fotógrafo paraibano Gustavo Moura e ficará em cartaz na Galeria da Ladeira, no ateliê, até dia 20 de dezembro.(Release)

"RINO MANIA" NO JARDIM DA ESTAÇÃO


Visitantes da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes estão sendo recepcionados por 15 esculturas da exposição 'Rino Mania'. Idealizada pela Wild in Art, empresa inglesa que trabalha em prol da disseminação da arte e da sua implantação em ambientes educacionais, na cidade de Chester, Inglaterra, o projeto promove exposições de esculturas em fibras de vidro em formato de rinocerontes, decoradas por artistas e estudantes.

No Brasil, a mostra já percorreu as cidades de Agudos, Lençóis Paulista, Itapetininga, Botucatu, Jundiaí, Estrela do Sul, Taquari, São Leopoldo, Uberada. No Nordeste apenas o município de Cabo de Santo Agostinho (PE) e João Pessoa (PB) recebem a exposição Rino Mania até esta segunda-feira,21.

A diretora geral da Estação Cabo Branco, Marianne Góes, explicou que a 'Rino Mania' também objetiva conscientizar professores e estudantes sobre a preservação de animais ameaçados de extinção no Brasil e no mundo. A curadora da Estação disse que "com esta exposição, a Estação Cabo Branco passa a fazer parte do circuito internacional de exposições deste porte. Ao mesmo tempo estamos potencializando o Projeto Estação Ambiental e também conscientizando a população e os estudantes para a preservação de animais em extinção”.

Por que rinocerontes? – O impacto ambiental que o animal causa aos olhos de quem o observa, as possibilidades que o corpo do rinoceronte oferece aos artistas para executarem seus trabalhos de maneira livre e criativa, o fato de ser uma espécie em extinção, são fatores totalmente alinhados à proposta da empresa que pretende incentivar e disseminar a arte e alertar quanto à preservação das espécies. (Release)

sábado, 12 de novembro de 2011

'Vozes da UFPB' canta músicos brasileiros

        Os estudantes do Curso de Música da Universidade Federal da Paraíba (Demús/UFPB) farão neste domingo (13), às 16h, show em homenagem a grandes nomes da música brasileira. O show será no auditório da Estação Cabo Branco –  Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano, com entrada aberta ao público.
       No repertório nomes como Cartola, Guinga, Noel Rosa, Chico Buarque, Nelson Gonçalves entre outros. O grupo também apresentará música havaiana de Kamakawiwo´ole e fará uma homenagem aos índios do Brasil.
Segundo Daniella Gramani, coordenadora do projeto, a idéia é ultrapassar as paredes da sala de aula e levar ao público um pouco do que tem sido trabalhado nas aulas de canto popular. "Assim todos saem ganhando”, destacou. 
        A nova edição do projeto contará com uma diversidade de estilos musicais. Neste show se apresentam os cantores Mayara Gonçalves, Gabriela Brisi, Soraya Longo, Chris, Helayne Cristini, Breno Frazão, Mauro Sergio, Fábio Xavier, Guido, Cecília Conserva e Nina Ferreira.(Release)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

"CASA DE MÃE JOANA"

O grupo Casa de Mãe Joana, projeto do violinista Vinícius de Lucena, será a atração do projeto Sabadinho Bom deste final de semana. O gênero choro, em um clima de gafieira, vai animar o evento, que começa a partir das 12h, na Praça Rio Branco, localizada no Centro da Capital. A realização do projeto é da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

No final do ano de 2010, o violonista Vinícius de Lucena se uniu com alguns instrumentistas de sopros, alunos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), para fundar o projeto do grupo Casa de Mãe Joana. No repertório, estão clássicos de Pixinguinha, Nazareth, Cartola, Adoniran Barbosa, entre outros, sempre interpretados com gingado e com o toque da "malandragem” carioca.

A idéia dos músicos é levar à Praça Rio Branco uma apresentação que faz referência à gafieira. No final do século XIX, esse era o local onde as classes mais humildes podiam frequentar e praticar danças de casal, ou de salão. Não chegava a ser um clube e sim uma alternativa para essas pessoas. Pelo que consta a história, esses redutos eram comuns no município do Rio de Janeiro.(Release)

terça-feira, 8 de novembro de 2011

DANÇA NO TEATRO SANTA ROSA


(Foto:Divulgação)
A linguagem do corpo é universal, não precisa de tradução. É da República do Benim, antiga colônia francesa, que vem o bailarino Marcel Gbeffa. De passagem por João Pessoa, ele apresenta sua performance solo chamada E se… e um duo com a alemã Meimouna Coffi intitulado Sombra Primitiva. O evento é gratuito e acontece nesta terça-feira, dia 8, em sessão única, promovida pela Aliança Francesa, no Teatro Santa Roza, às 20h.(Release)

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

ESTACINE EXIBE "A DONA DA HISTÓRIA

         O filme "A Dona da História”, dirigido por Daniel Filho, será exibido no projeto Estacine deste sábado (5) e domingo (6), às 18h, na Sala de Audiovisual da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. 
         Com elenco do quilate de Marieta Severo, Antônio Fagundes, Rodrigo Santoro e Débora Falabella, o filme narra a história de Caroline, que está em crise no casamento e passa a questionar seu percurso, suas opções e expectativas.
        Através de um confronto e as possibilidades de ter seguido outros rumos, ela se questiona, a todo o momento, sobre a vida que está levando. Na maturidade, Carolina tem o privilégio de rever a sua própria história e se reencontrar no que foi, no que não foi e no que poderia ter sido – ao lado ou longe do grande amor de sua vida.
       O projeto Estacine é uma parceria da Estação Cabo Branco com a locadora Ribalta e com a Ancine, que doou recentemente vídeos para serem exibidos para as pessoas que não têm acesso à cultura cinematográfica brasileira na cidade. .A entrada é aberta ao público.

Cia de Dança Lunay apresenta 'Caravana'

A Cia de Dança Lunay apresenta o espetáculo "Caravana” neste sábado (5), às 17h30, no anfiteatro da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A apresentação integra os projetos Circuito Cultural das Praças, realizado pela Fundação de Cultura de João Pessoa (Funjope) e Estação Fim de Tarde, que consiste em levar arte e cultura de graça para a população. 

"Caravana” é desenvolvido no estilo tribal Brasil, que mescla o tribal fusion (fusão de dança do ventre com flamenco e indiana) com danças afrobrasileiras, como o maracatu, coco, caboclinho e orixás. A direção é da  dançarina Kilma Farias, com entrada gratuita.

SABADINHO BOM com "TOM DO SAMBA"

           Chorinhos brasileiros da melhor qualidade compõem o repertório do grupo o TOM DO SAMBA que se apresenta neste sábado,(5), na bela praça Rio Branco, centro da Capital paraibana.Waldir Azevedo, Pixinguinha, Jacob do Bandolim e Herivelto Martins, são alguns exemplos de excelentes chorões que cravaram esse tipo de música na nossa MBP. O "Tom do Samba", começa a tocar a partir do meio dia.
          A banda é composta por Carlos Moura (pandeiro), Gabriella Villar (voz), Luis Umberto (violão sete cordas), Potyzinho Lucena (cavaquinho) e Renan Rezende (flauta). O grupo surgiu em 2010 com o intuito de desenvolver um trabalho de preservação do samba e samba de raiz, que nasceram com o choro. Para os integrantes, o olhar cuidadoso se faz necessário porque esses gêneros musicais vêm sofrendo modificações e suas raízes ainda resistem, insistindo em manter seu lugar na cultura brasileira 
        Atualmente, o "Tom do Samba" está concentrado no projeto de gravar seu primeiro CD autoral. A iniciativa tem o objetivo de levar a proposta musical de preservação da identidade brasileira e dar visibilidade à banda, que é bastante requisitada em espaços culturais e bares da cidade.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

ONZE PRAÇAS DE JP RECEBEM O CIRCUITO CULTURAL




Música, dança, teatro e atrações da cultura popular compõem a programação do Circuito Cultural das Praças neste sábado (1º), em 11 espaços públicos da Capital. O evento, que acontece de setembro a fevereiro e objetiva promover a diversidade cultural, além do fomento e descentralização das atividades culturais, é promovido pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por intermédio da sua Fundação Cultural (Funjope).

Veja a programação deste sábado (1º de outubro)

- Praça da Mangueira no Alto do Mateus
 17h - Espetáculo Malaki, Companhia Paralelo de Dança (dança)
- Praça Alcides Carneiro em  Manaíra
17h - Cavalo Marinho Infantil (cultura popular)
- Estação Ciência (teatro de arena)
–17h - Allem Circo
- Praça da Cultura no Castelo Branco
 -19h - Baixinho do Pandeiro (cultura popular)
- Praça do Caju no Bessa
 19h - Êxodus Reggae Band (música)
- Praça da Conquista  no Padre Zé
19h - Trio Agudos do Forró (música)
- Praça Lauro Wanderley  no Funcionários I
19h - Despertando para a Eco Cidadania (teatro)
- Praça Bela) no Funcionários II
 19h - Mac Belo (teatro)
- Praça da Esperança no Conjunto Residencial Gervásio Maia
 19h  - Escola de Capoeira Afro Nagô (cultura popular)
- Praça Soares Madruga no Valentina
 19h - Banda Mega Show (música)
- Praça Aquiles Leal em Jaguaribe
 20h -  Flor de Macambira (teatro)
(Release)

terça-feira, 20 de setembro de 2011

CINEPORT MOVIMENTA JP


A 3º edição do Cineport (cinema de países de língua portuguesa), em João Pessoa, está sacudindo a cena cultural da cidade. A Cidade do Cabo (Africa do Sul) é a homenageada do evento. O intercâmbio entre sete países objetiva integrar e promover, segundo os organizadores, o mercado cinematográfico dos países de língua portuguesa.O evento, realizado na Usina Cultural da Energisa, segue até o dia 25 e tem apoio da Prefeitura de João Pessoa e do Governo do Estado. 

Além da exibição de curtas, mini curtas,longas, os participantes também participam de encontros, seminários, painéis, debates, conferências, mostras, lançamentos de publicações, DVDs, filmes e vídeos. O Cineport já faz parte dos roteiros turísticos culturais da Capital agregando novos valores que somam aos atrativos regionais existentes.Entre os países de língua portuguesa presentes ao Cineport estão Angola, Cabo Verde, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor Leste.

O Troféu Andorinha vai premiar os filmes concorrentes nos quesitos longa, curta, categoria animação, documentário e ficção. Foram selecionados previamente 33  filmes, que serão apreciados durante o Festival por um júri composto por Antônio Loja Neves, da África, Kátia Machado, do Brasil, e Kátia Salgueiros, de Portugal. Os filmes inscritos para o Prêmio Energisa Estímulo ao Audiovisual Paraibano serão exibidos e analisados também durante o Festival. 

Homenageada – A cantora Sara Tavares será uma das homenageadas no festival.Ela possui uma identidade musical capaz de integrar diversos elementos, sejam eles africanos, portugueses ou universais. Hoje é uma das maiores representantes de uma musicalidade que nasce em Lisboa mas que se inspira no passado africano. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

A RESENHA DO FESTIVAL DE AREIA

Embalada pelo “cheiro” da cultura concentrada na cidade de Areia-PB resolvi subir a serra brejeira, último sábado, para prestigiar o 12º Festival de Artes.Tava tudo muito bom.Tava tudo muito bem não fosse a ausência de hospedagem na cidade.Todos os locais disponibilizados estavam lotados e a solução foi mesmo pernoitar dentro do carro, no pátio do Colégio das Freiras e agüentar um frio de 16 graus.

Envolta ao meu edredon, como quem previa algo dessa natureza, meu pensamento voltou-se para o famoso Festival de Música de Woodstock, realizado em agosto de 1969 numa fazenda na cidade rural de Bethel, no estado de Nova York-EUA, onde os hippies e as pessoas recorriam a carros, kombis, gramas, bancos e em qualquer lugar para descansar um pouco e seguir acompanhando a programação do festival. Não foi igual, é claro, mas a ausência de infraestrutura num evento que reúne muita gente é, no mínimo, desesperador nos dias de hoje onde o espírito de paz e amor já não existe mais nas ruas de qualquer cidade.

Deixando de lado as devidas proporções, ressalto aqui a iniciativa do Governo do Estado, que é homem sensível à cultura de um modo geral e apreciador da cultura paraibana, principalmente, da decisão de realizar o festival que desde a sua primeira edição, há 35 anos, elevou a terra natal do pintor Pedro Américo ao status de cidade da cultura, hoje patrimônio da humanidade. O regionalismo do Festival de Artes de Areia de 2011, portanto, não desmereceu e nem deixou a desejar.

A participação de tantos talentos conhecidos regional e nacionalmente possibilitou a expansão do que chamamos de “cultura local” com o mesmo brilho de nomes nacionais e que tocam nos circuitos comerciais. Revelações como Toninho Borbo, Junior Cordeiro, não deixaram a desejar. A população jovem de Areia esteve presente ao festival e tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais da cultura paraibana ainda não revelada.

O empenho do secretário de Cultura Chico César e do Governo do Estado em descentralizar a cultura por toda a Paraíba já trás a certeza de que a qualidade estética e sonora que buscamos está no caminho certo. A beleza e alegria do Mestre Abel, que conduziu o Reisado de Zabelê até os 81 anos e a presença do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, com sua aula-espetáculo, fecham o festival com a certeza de que no próximo ano tem mais. Oxalá mais estruturado.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

12º FESTIVAL DE ARTES DE AREIA


Um evento importante volta à tona na Paraíba. Depois de 35 anos de sua criação - em 1976 - a cidade de Areia, no brejo paraibano, volta a ser palco da cultura. Um grande fórum que agrega as artes musicais, circenses, dança, literatura, artes plásticas, cultura popular, teatro e audovisual abre espaço para a vez e voz  até o domingo,18.

Com o nome de Festival de Verão de Areia, o evento tinha a proposta de discutir os principais temas ligados à cultura brasileira do período. Participaram da primeira edição Ariano Suassuna, Dias Gomes, Ferreira Gullar, Paulo Pontes, João Ubaldo Ribeiro, dentre outros nomes consagrados. Esta edição reúne artistas regional.

História- Por sua importância como um espaço de reflexão e contestação da realidade, o Festival chamou a atenção das autoridades que proibiram sua realização depois de alguns anos. O festival voltou a ser realizado por produtores locais nos anos de 98, 99, 2005 e 2008, mas sem apoio do Governo do Estado. Agora volta à cena com novo formato, incorporando oficinas e cursos, mas mantendo o caráter contestador e reflexivo.



terça-feira, 6 de setembro de 2011

'INDEPENDÊNCIA OU MORTE' NO ESTACINE DESTA 4ª FEIRA

Para comemorar o Dia da Independência do Brasil, o projeto Estacine exibe em caráter especial, nesta quarta-feira (7), o filme "Independência ou Morte”, produção nacional lançada no Brasil em 1972, com direção e roteiro de Carlos Coimbra. A exibição será às 18h30, na sala de audiovisual, no segundo pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A entrada é aberta ao público, mas é importante lembrar que a sala tem capacidade para 38 pessoas.

"Independência ou Morte” tem como ponto de partida o dia da abdicação de Dom Pedro I. No filme, o diretor traça um perfil do monarca desde quando era ainda menino e sua família veio da Europa fugindo das tropas napoleônicas até sua ascensão à Príncipe Regente, época em que seu pai, Dom João VI, retornou para Portugal.

O filme mostra que, em pouco tempo, a situação política torna-se insustentável e o regente proclama a independência, mas seu envolvimento extra conjugal com a futura Marquesa de Santos provoca oposição em diversos setores e José Bonifácio de Andrada e Silva pede demissão do Ministério. Mas este não seria o único caso em que ministros e nobres entrariam em choque com o imperador por causa da marquesa, que permanentemente influenciava as decisões do soberano, o que causava desgaste político.

No elenco estão os atores Tarcísio Meira (Dom Pedro I), Glória Menezes (Marquesa de Santos), Dionísio Azevedo (José Bonifácio), Kate Hansen (Dona Leopoldina), Emiliano Queiroz (Chalaça), Manoel da Nóbrega (Dom João VI), Heloísa Helena (Carlota Joaquina), Labanca (Frei Arrabida), Renato Restier (Barão de Mareschall), Anselmo Duarte (Gonçalves Ledo) e outros.

Estacine – O projeto, que foi criado no ano passado, consiste na exibição de filmes com abordagens temáticas educativas e culturais, com destaque para a produção brasileira. As exibições acontecem sempre nos finais de semana. No próximo sábado (10) e domingo (11) será exibido o filme "Caramuru – A invenção do Brasil”, do diretor Guel Arraes. A programação traz filmes que estão fora do circuito comercial. A ideia é estimular as pessoas para compreensão de aspectos da arte que nem sempre estão disponíveis ao grande público.(Release).

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA "SETEMBRO FOTOGRÁFICO"


Estão abertas as inscrições para as oficinas do projeto Setembro Fotográfico. O evento é gratuito e acontece de 24 a 30 de setembro com o objetivo de colaborar para promoção e visibilidade da fotografia contemporânea. A promoção é da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Fundação Cultural (Funjope), em parceria com o Governo do Estado.

A abertura oficial do “Setembro Fotográfico” acontece dia 24, às 19h, na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano, onde haverá ainda o lançamento do catálogo 'Fotografia Paraibana'. Além das oficinas, a programação inclui exposições, palestras e lançamento de livros e acontece na Estação Cabo Branco, Casarão 34, Casarão dos Azulejos e Centro Cultural São Francisco.

Os interessados em participar das sete oficinas contempladas no projeto, devem se dirigir à sede da Funjope para realizar as inscrições, de segunda a sexta-feira, em horário comercial. As oficinas acontecerão no Casarão 34, com exceção de 'O Retrato Fotográfico', ministrada por Antonio Augusto Fontes, de 24 a 26 de setembro, que também é realizada na Estação Cabo Branco – Ciência Cultura e Artes.

As outras oficinas são: 'Recorte da imagem a partir da fotografia', ministrada por Romero Cavalcanti, nos dias 27 e 28;'O fotógrafo e o seu arquivo', por Rosely Nakagawa, de 25 a 27; 'Fotografia de busca', Pedro David, nos dias 25 e 26; 'O fluxo de trabalho com o lightroom', ministrada por Marcos Issa, de 28 a 30; 'Elaboração de projeto editorial, por José Wagner, que acontece nos dia 28 e 29; e 'Realização de Ensaio Autoral', com Ed Viggiani, de 24 a 26. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3218-5502.

Setembro fotográfico – O projeto, que reúne grandes nomes da fotografia nacional, tem o objetivo de difundir a fotografia e incentivar, divulgar e valorizar a produção fotográfica paraibana. A curadoria é do fotógrafo paraibano Gustavo Moura.(Release).

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Concerto para Maestro Pedro Santos

A Banda Sinfônica José Siqueira, do Departamento de Música da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), vai homenagear o maestro Pedro Santos com a realização de um concerto pelos 25 anos de sua morte, nesta terça-feira (30), às 18h, no auditório da Reitoria, no Campus de João Pessoa.

O regente José de Arimateia (Teinha) vai executar obras de Pedro Santos e de Carl Maria von Weber Concertino op.26, para clarinete e piano; Transcrição para clarinete e grupo de clarinetes com professor Arimatéia Veríssimo; Jacques Ibert Concertino da Câmara Sax Alto e Piano e Transcrição para Sax Alto e grupo de Saxofones.

Pedro Santos foi maestro, fundador do Coral Universitário da UFPB, do Madrigal Paraíba, Coral do IPE, Coral da Telpa, Coral da Ibrave e regente das Orquestras Sinfônica de Câmara do Estado da Paraíba. Destacou-se como um dos articuladores do movimento pela criação do Departamento de Artes e Comunicação e fez parte do grupo responsável pela criação do Núcleo de Documentação Cinematográfica (NUDOC).

Pedro fez incursões pelo cinema sendo também um dos implementadores do Programa Cinema Direto, em convênio com a Universidade de Nanterre, na França. Foi autor de música para teatro e cinema, tendo participado de vários projetos nessas áreas. Estudou no Instituto Villa-Lobos e no Conservatório Nacional onde foi aluno de Heitor Villa-Lobos.

A Banda Sinfônica “José Siqueira” foi criada em 1986 no departamento de música da UFPB, com o objetivo de promover o desenvolvimento dos alunos de sopro e percussão através da prática instrumental de conjunto. Na sua programação de concerto tem dado ênfase ao repertório brasileiro e o tradicional de banda sinfônica. Tem como regente titular, desde a sua fundação, o professor Sandoval Moreno de Oliveira.(Release).

Prêmio Literário para Autores Inéditos


Estão abertas nas unidades do Serviço Social do Comércio as inscrições para o Prêmio SESC de Literatura, versão 2011. Os interessados podem se inscrever nas regionais de João Pessoa, Campina Grande, Guarabira, Patos e Sousa. A direção decidiu adiar até 30 de setembro.

Esse ano o concurso tem abrangência nacional e prioriza a editoração de contos e romances inéditos. A novidade é sobre a entrega de fichas de inscrições feitas pelos escritores interessados, através do site: www.sesc.com.br e que serão validadas nas sedes dos regionais do Sesc, mediante a entrega dos 4 exemplares de cada trabalho literário inscrito.

A Paraíba já sediou evento em duas ocasiões.Uma da sub – comissão do Nordeste que anualmente faz avaliação das obras inscritas. Escritores e críticos paraibanos como Hidelberto Barbosa Filho, Amador Ribeiro, Políbio Alves e Rinaldo Fernandes já compuseram esta comissão (Release)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Vida de Zuzu Angel na tela do Estacine

O projeto Estacine exibe o filme 'Zuzu Angel' neste final de semana na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, localizada no bairro do Altiplano. As exibições acontecem sábado (27) e domingo (28), às 18h30, na sala de audiovisual, no segundo pavimento da Torre Mirante. A entrada é gratuita, mas é importante lembrar que a sala tem capacidade para 38 pessoas.

O filme, de roteiro e direção de Sérgio Rezende, se passa na década de 60. Em plena ditadura militar, Zuzu Angel (Patrícia Pillar), uma estilista de moda, se torna cada vez mais famosa no Brasil e no exterior. Enquanto isso, seu filho Stuart (Daniel de Oliveira) ingressa na luta armada contra a ditadura. Ela, uma empresária e ele lutando pela revolução socialista.

Stuart é preso, torturado e assassinado pelos agentes do Centro de informações de Aeronáutica, sendo dado como desaparecido político. Zuzu inicia uma batalha para localizar o corpo do filho e enterrá-lo, denunciando as torturas e morte, se tornando uma figura cada vez mais incômoda para a ditadura. No elenco do filme brasileiro atores como: Patrícia Pillar (Zuzu Angel), Daniel de Oliveira (Stuart Angel), Luana Piovani (Elke Maravilha), Leandra Leal (Sônia), Alexandre Borges (Fraga), entre outros.

Estacine – O projeto é uma parceria da Estação Cabo Branco com a locadora de filmes Ribalta e consiste na exibição de filmes com abordagens temáticas educativas e culturais, com destaque para produção brasileira. As exibições acontecem sempre nos finais de semana até dezembro de 2011, com programação anunciada na mídia de jornal, rádio, televisão e internet.

A programação traz filmes que estão fora do circuito comercial e estimule o público para compreensão de aspectos da arte que nem sempre estão disponíveis no mercado. (Release).

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

DUO MOVIMENT AR

A Fundação Espaço Cultural da Paraiba (Funesc) apresenta, nesta quinta-feira (18) Recital para Flauta e Piano com o Duo Moviment Ar, formado pelo jovem flautista paraibano radicado na Alemanha, Vítor Diniz e a pianista mineira Joana Boechat. O talento do Duo poderá ser apreciado às 21h, no Cine-Bangüê e a entrada é gratuita.

No recital serão executadas peças como a rara “Sonatina”, de José Siqueira, além de obras de Radamés Gnatalli, Camargo Guarnieri, Brenno Blauth e do jovem compositor mineiro Maurício Ribeiro. O repertório, exclusivamente brasileiro, foi recentemente apresentado em Belo Horizonte na Fundação de Educação Artística e depois de passar pela Funesc será apresentado no Teatro José de Alencar em Fortaleza. No Cine-Bangüê, às 21h.

O Duo Moviment Ar formou-se a partir do encontro de dois músicos brasileiros na Alemanha. Movidos pelo interesse em comum pela música brasileira de câmara, a pianista Joana Boechat, e o flautista Vítor Diniz se uniram para pesquisar e divulgar o rico repertório para esta formação. Formada pela Universidade Federal de Minas Gerais, Joana tem uma carreira promissora, tendo já se apresentado em importantes salas do Brasil.

O paraibano Vítor começou seus estudos aqui na Paraiba há 10 anos mora na Almenanha, onde se empenhou com afinco ao estudo da flauta. Tal dedicação já lhe rendeu importantes prêmios, como o de solista no Concurso Nelson Freire, realizado pela Orquestra Sinfônica Brasileira, bem como apresentações em diversos países. (Release)

terça-feira, 16 de agosto de 2011

XI SALÃO DOS NOVOS DO SESC


Estão abertas as inscrições para o XI Salão dos Novos do SESC/PB. A idéia é dar visibilidade e oportunidade aos iniciantes da área de artes plásticas. As inscrições acontecem até o dia 22, das 8h às 18h, no setor de atividades culturais da entidade comerciaria. Trinta e cinco obras serão selecionadas e a relação dos classificados será divulgada no dia 31 deste mês.
Para se inscrever no Salão, que este ano homenageia a artista Isa Galindo, o iniciante deve ter acima de 15 anos, escolher uma categoria de pintura, desenho, gravura, fotografia (medindo de 23 cm x 30 cm até 70 cm x 90 cm), escultura/objetos e instalação (com área de no mínimo 1 m x 0.50 m e no máximo 2 m x 2 m, contendo projetos detalhados e maquetes para exame de visibilidade). Só serão aceitas até três obras inéditas produzidas a partir do ano de 2005, com currículo do concorrente.
A seleção e premiação será feita por um grupo de jurados convocados pelo SESC. Cada categoria concorre a um prêmio no valor de R$1.000 reais. Todos os trabalhos ficarão expostos na Área de Lazer do SESC/ Centro, João Pessoa, no período de 9 a 30 de setembro deste ano.
O regulamento, na íntegra, encontra-se no setor de cultura do SESC Centro, na Rua Desembargador Souto Maior, 281, em João Pessoa. Contato: 32083158.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

"ZABUMBA MUNDI" NA ESTAÇÃO CIÊNCIA

O grupo de cultura popular Zabumba Mundi se apresenta nesta quinta-feira (28), às 17h, no anfiteatro da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no altiplano. A entrada é aberta ao público. A apresentação está inserida na programação de aniversário de três anos da Estação Cabo Branco, Cultura e Arte, comemorado neste mês de julho.

Zabumba Mundi se apresenta com Eduardo Brito (guitarra), Eric Araújo (guitarra), Pato Júnior (baixo), Lú Oliveira (zabumba), Leandro Silva (zabumba), Rosangela (vocal) e Vagalume (caixa e pratos). Eles estão sempre se apresentando e fazendo uma parceria com o músico Ítalo Pay.

O trabalho do Zabumba é fruto de pesquisas sonoras realizadas nos últimos dez anos, inspirado no xote, samba e batidas marcadas pela forte pulsação dos zabumbas. O primeiro trabalho musical intitulado ‘Ítalo Pay e Zabumba Mundi’ possui composições próprias e releituras de artistas brasileiros consagrados.

Nesse tempo de atividades, o grupo realizou várias apresentações em diversas cidades do Nordeste. Uma das últimas, de bastante sucesso, aconteceu durante a inauguração do Ponto de Cultura Chã de Desterro, na cidade de Paudalho (PE). Também se destaca a apresentação feita na abertura da exposição do escultor pernambucano Abelardo da Hora, que ocorreu na Estação Cabo Branco. (Release).

SERVIÇO:
Evento: Zabumba Mundi
Dia: Quinta-feira (28)
Hora: 17h
Local: Anfiteatro da Estação Cabo Branco - Ciência, Cultura e Arte – Altiplano.
Informações: 3214.8303 ou 8270/ Rivaldo Dias – Produtor Cultural Estação - Fone: 8812.3999

terça-feira, 26 de julho de 2011

VISÕES NEGRAS-SIMBOLOGIAS E HISTÓRIAS

Visões negras – simbologias, histórias e trajetórias. Este é o título da exposição que a Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba, realiza nesta quarta-feira (27), às 13h, no Casarão 34, na praça Dom Adauto, 34.O evento faz parte das comemorações ao Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, celebrado na última segunda, 25.

Logo após a abertura os presentes participam no Solar do Conselheiro, prédio situado à Rua Duque de Caxias, do seminário “Luta antiracista e antisexista na Paraíba –realizações, avanços e perspectivas”com a a coordenadora executiva da Bamidelê, Solange Rocha, a ativista negra, Jurema Werneck, do grupo Criola e representante da Articulação Nacional de Mulheres Negras.

A programação segue a noite com apresentações culturais dos grupos Cirandeiras de Caiana dos Criolos, Coral Voz Ativa, sob a regência do maestro Luiz Carlos Otávio e Batuque de Saia. A exposição fica aberta ao público até sexta-feira, (29),das 14h às 17h.

Nestes 10 anos, a Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba, tem atuado em campos importantes para a formulação e consolidação de políticas públicas para a população negra, em especial, as mulheres. Saúde, educação, sexualidade, política de cotas nas universidades e o combate ao racismo e ao sexismo tem sido bandeiras de luta constantes da Bamidelê para a construção de uma sociedade igualitária e justa para todas/os.

Em Caiana dos Criolos, comunidade composta por cerca de 150 famílias, remanescentes de quilombolas, no município de Alagoa Grande (PB), a Bamidelê contribuiu para o fortalecimento e organização das mulheres negras do local que fundaram a Organização de Mulheres Negras de Caiana dos Criolos.(Release)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

BAILE AFRO E COCO DE RODA

(Logo: Nai Gomes)

O Ateliê Multicultural Elioenai Gomes realiza nesta sexta feira (22), às 22 hs, o "9º Baile Afro - Celebrando o Coco de Roda da Paraíba". O evento dá seguimento à proposta do Ateliê de valorização e difusão da cultura popular paraibana no Centro Histórico de João Pessoa.

Nesta 9ª edição, o Baile Afro contará com a participação de tradicionais grupos de coco e ciranda da Paraíba. O Ateliê receberá o Coco de Roda Novo Quilombo, da comunidade quilombola do Gurugi, no município do Conde, além dos Cirandeiros do Vale do Gramame e do Grupo Raízes.(Release)

Serviço:

Oque? 9º Baile Afro

Quando? Hoje

Quanto? R$7,00

Onde? Ateliê Multicultural Elioenai Gomes (Ladeira da Borborema,101, Centro Histórico).Informações – 87309629 / 88030786.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Funesc expõe "Apagamentos"

Intitulada “Apagamentos”, a mostra individual do artista carioca Jimson Vilela traz 16 trabalhos nos quais a rasura se apresenta como ponto de interseção entre a linguagem escrita e imagética. A exposição segue em cartaz até 4 de agosto na galeria Archidy Picado. A visitação pode ser feita diariamente, das 8h às 18h e nos sábados e domingos, das 14h às 20h. Entrada gratuita.(Release)

quarta-feira, 13 de julho de 2011

“Uma História do Vento”

Filmar o vento. A ideia de captar imagens do invisível parece absurda para muitos, mas foi essa proposta que norteou a produção “Uma História do Vento”, do cineasta Joris Ivens, em parceria com Marceline Loridan. A obra é o destaque desta quinta-feira (14), na sessão “Filmes a Granel”, às 19h30, no Espaço Cine Digital, unidade de cinema da Fundação Espaço Cultural (Funesc). A entrada é gratuita e o evento faz parte do programa “Um Cinema Sob Influência”, que chega à sua segunda temporada.

De acordo com a proposta, os participantes do grupo “Filmes a Granel” (cooperativa que produz obras de baixíssimo orçamento) apresentam produções que lhes influenciaram na realização dos seus próprios filmes. O convidado desta semana é o cooperado Bruno de Sales. Ao final da sessão, o cineasta falará sobre como foi influenciado pelo trabalho de Joris Ivens na elaboração e execução de seu próximo curta, “A verdade não precisa de enfeite”, em fase de produção.

Vencedor do Prêmio Especial da 13ª Mostra, “Uma História do Vento” (no título original, “Une Histoire Du Vent”) é o último filme do diretor Joris Iven, realizado em estreita colaboração com sua mulher Marceline Loridan. É a obra mais lírica de toda a sua longa carreira. É também uma espécie de testamento onde o cineasta, aos 90 anos de idade, interpreta um velho senhor que faz uma viagem mística através da China. Em seu percurso ele encontra o deserto, um grande mestre de Kung Fu, a Lua e o sopro do vento do outono.

Sinopse
Uma história do vento, de Joris Ivens & Marceline Loridan, (França, 1988, 77’) - A última obra de Joris Ivens, feita em parceria com Marceline Loridan, é uma visão da sua própria vida e sobre as mudanças do mundo. Após “Pour le Mistral” este filme é a segunda tentativa de filmar o invisível: o vento. Na China, tentam capturar o vento como um fenômeno natural e como metáfora para as constantes mudanças culturais e sociais. O filme estreou em 1988, no Festival de Cinema de Veneza, tendo Joris Ivens recebido o Leão de Ouro pela sua obra de cineasta. (Release).
Serviço
Sessão Filmes a Granel
Filme: “Uma História do Vento” (Une Histoire de Vent, 1988, 77’, França/Holanda)
Direção: Joris Ivens & Marceline Loridan
Data: 14/07 (quinta-feira)
Hora: 19h30
Local: Cine Espaço Digital
Entrada: Gratuita
Realização: Cooperativa Filmes a Granel
Apoio: Funesc
Informações: 3211.6281

quarta-feira, 6 de julho de 2011

COCO E CIRANDA NA ESTAÇÃO

Cirandeiros do Vale do Gramame se apresentam nesta quinta-feira (7), às 17h, no anfiteatro da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A apresentação é gratuita e está inserida na programação especial de aniversário de 3 anos da Estação Cabo Branco. É um grupo da região do Vale do Gramame que está revitalizando as cirandas autorais e o cancioneiro popular.

João da Penha, um dos componentes, disse que quando jovem participava das festas tradicionais daquela comunidade, como lapinhas e eventos juninos, com danças como cirandas e cocos. No show de hoje o grupo promete, juntamente com as pessoas,fazer todo mundo dançar muito ao som da ciranda e do coco de roda. (Release)

terça-feira, 5 de julho de 2011

OFICINAS CULTURAIS

A Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) está iniciando nova temporada do projeto ‘Oficinas Culturais nos Bairros’. Para esta etapa, as novas oficinas selecionadas atenderam às solicitações de entidades, bem como às necessidades apresentadas pelo Orçamento Democrático (OD). O inicio das oficinas está previsto para segunda-feira (11), numa promoção da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP.

Nesta segunda chamada foram selecionadas 23 propostas em diferentes áreas, sendo cinco delas de cultura popular, duas de literatura, duas de artes visuais, uma de artesanato, duas de música, três de artes cênicas, três de dança, uma de audiovisual, uma de produção cultural, uma de brinquedoteca e duas de artes integradas que integrarão o projeto Oficinas Culturais nos Bairros a partir deste mês, totalizando 100 oficinas, desenvolvidas em diversos espaços, contemplando todas as 14 regiões da cidade.(Release)

terça-feira, 28 de junho de 2011

GIL FAZ SHOW ELETRIZANTE EM JP

Um show eletrizante, pra cima, alegre foi o presente que o cantor Gilberto Gil, aniversariante neste último domingo,trouxe para o pessoense que foi ao Ponto de Cém Réis nesta véspera de São Pedro. Do auge dos seus 65 anos, ele deixou muita gente na chinela, o tempo todo dançando,pulando e xaxando no palco, colocando a platéia pra sair do chão.

Quando o nome dele foi anunciado como uma das atrações do São João de João Pessoa, algumas pessoas criticaram, dizendo que não era um nome para esse período junino. Ele veio e emplacou um show maravilhoso. O Fé na Festa tinha xotes, xaxados, forrós de toda ordem e sucessos consagrados como Andar com Fé, Tempo Rei e outras canções do seu repertório.

Pra quem não sabe, Gil tem um disco onde canta só Luiz Gonzaga e neste show na capital paraibana ele lembrou de outros também famosos, saudosos e paraibanos como Sivuca e Jackson do Pandeiro.O duelo sonoro entre o rabequeiro francês e o sanfoneiro foi um ponto alto do show tocando Feira de Mangaio, de Sivuca e Glorinha.

No repertório também teve Sebastiana de Jackson do Pandeiro e canções como Viva São João, Fé na Festa, que assina o nome do disco, Óia eu aqui de novo e tantos outros sucessos.Foi um show pra guardar na memória.Viva Gilberto Gil. Viva a Funjope.

terça-feira, 21 de junho de 2011

CORAIS VOZ ATIVA E DESPERTAR FAZEM ARRAIÁ

(Foto:Célia Leal)

Os grupos vocais Voz Ativa e Despertar se apresentam nesta quarta-feira,22, a partir das 17h30, na Praça Rio Branco. O repertório deste arraiá conta com forrós, xotes, baião, quadrilhas de artistas como Santana, Flávio José, Luiz Gonzaga,Trio Nordestino, Jorge de Altinho, entre outros.

O maestro Luiz Carlos Otávio disse que a idéia é reviver e manter um repertório junino mais tradicional, com beleza melódica e poética. Ele convida todos(as) a participar do arraiá para cantar com o grupo.

A apresentação dos corais antecede a abertura do “São João João Pessoa” que começa nesta quinta, 23, véspera de São João, no Ponto de Cem Réis, centro histórico da capital paraibana.

No “São João de João Pessoa, 2011- O Melhor da Gente”- a autenticidade da cultura nordestina tem presença garantida.São mais de 50 atrações que vão animar a cidade e colocar todo mundo pra dançar.

Artistas de renome nacional e regional, como Gilberto Gil e Alceu Valença, Maciel Melo; além de artistas locais, como Flávio José, Bilu de Campina, Dejinha de Monteiro, Zé Calixto, Pinto do Acordeon, Os Três do Xamego, Trio Nordestino, Forró Caçuá, Clã Brasil, o homenageado Genival Lacerda e vários grupos de forró, emboladores e a cultura popular terão espaço. Cabe a cada um de nós curtir os festejos juninos com tranqüilidade.

domingo, 19 de junho de 2011

terça-feira, 14 de junho de 2011

MÚSICA EM PERFORMANCE

O auditório da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, é palco do projeto Música em Performance. O projeto reúne apresentações musicais, oficinas e mini-cursos com professores e estudantes do curso de bacharelado, licenciatura e sequencial em música da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
Resultado de uma parceria entre o Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, do Programa de Bolsa de Extensão da UFPB e da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), o evento é composto de recitais de saxofone, guitarra, flauta doce, música de câmara e música contemporânea.

O evento foi aberto para improvisações de música e dança, recital de música da câmara com o professor Agmar Dias, recital de violão com o professor Antônio Carlos Coelho (Tom K) e recital de música contemporânea com o também professor Valério Fiel.

Nesta quarta-feira (15), o evento começa às 9h, com recital de práticas de conjuntos populares com o professor e contrabaixista Xisto Medeiros. Logo após, o professor Anderson Mariano fará recital da teoria e forma da canção popular. Na seqüência se apresenta a professora Luceni Caetano (flauta doce) e, em seguida, haverá um recital da orquestra juvenil. A partir das 15h, na sala de convenções, acontece o recital de violão e classe de violão, com o professor Fernando Navarro. As apresentações se encerram às 16h, com apresentação da cantora lírica Amarílis de Rebuá.(Release)

FESTIVAL DE QUADRILHAS DO SESC

As inscrições para o Arraiá do SESC 2011 encontram-se abertas. O evento será realizado entre os dias 30 de junho e 01 de julho, a partir das 19 horas, no Ginásio do Colégio João Paulo II, no centro histórico de João Pessoa. O Festival de Quadrilhas Juninas organizado pelo SESC/Centro premiará os três melhores classificados com R$ 2.000,00, R$ 1.500,00 e R$ 1.000,00 respectivamente para os primeiro, segundo e terceiro lugar.

Serão oferecidos troféus aos destaques nos segmentos da pesquisa, figurino, música, coreografia, marcador, rainha e noivos. As inscrições permanecem abertas até o dia 18 , no Setor de Cultura do SESC,das 8 às 18 horas. Serão selecionadas 10 quadrilhas por cada noite do festival. Detalhes você ver no edital através do www.sescpb.com.br

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Artesanato na Estação Cabo Branco

Artesãs referenciadas pela Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres estão expondo na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, dentro da programação do ‘Arraiá da Estação’. Cerca de 40 artesãs participam da mostra ‘Festejos Juninos. Sonho e alegria do povo nordestino’, com mais de 600 produtos de bordados, fuxicos, crochê e reciclados. A exposição acontece até o final deste mês com grande programação educativa, informativa e cultural.

A mostra é composta de artesãs capacitadas pelo Projeto Raízes da Arte, uma ação apoiada pela Prefeitura de João Pessoa, através da Secretaria de Políticas para as Mulheres, que realizou cursos de formação com cerca de 50 mulheres, desenvolvendo técnicas para a produção dos artesanatos da região.

Maria José Belo, que é artesã há 15 anos, disse que expor na Estação Cabo Branco é uma oportunidade única para qualquer artesã. “Este espaço abre portas para o mundo ver nosso artesanato. É uma oportunidade de divulgação de nossa arte, assim como de grandes negócios”, observou a artesã.

Maria José disse ainda que sempre participa das exposições que a Secretaria de Políticas para as Mulheres realiza e que já teve produtos seus exportados até para Portugal.

O mesmo entusiasmo veio da turista de Santa Catarina, Ariane Oliveira, que recém chegada a João Pessoa disse que o artesanato local é muito bonito e que a diversidade de peças atrai a atenção. “Estou levando para casa colares feito de fuxicos e de algodão colorido típico da região. Todas estão de parabéns pelas peças em exposição”, disse.

Uma das novidades da mostra são as embalagens recicláveis feitas a partir de revistas e encartes de papéis, produzidos em oficinas pelas próprias artesãs.

Durante esse mês de junho, o visitante da Estação Cabo Branco vai encontrar uma programação com exposições, música, danças populares, vídeos, oficinas, sarau de poesia e outras atividades educativas, artísticas e culturais.(RELEASE)